Pesquisar

quinta-feira, 28 de março de 2013

Células solares feitas de árvores são recicláveis

Células solares feitas de árvores são recicláveis: Uma das grandes vantagens da célula solar de nanocelulose é que ela é totalmente reciclável.

Maior ataque cibernético da história deixa internet lenta

Maior ataque cibernético da história deixa internet lenta: A internet ficou mais lenta ao redor do mundo nesta quarta-feira devido ao que está sendo considerado o maior ciberataque da História.

Célula de fotossíntese artificial captura e armazena energia solar

Célula de fotossíntese artificial captura e armazena energia solar: Além dos semicondutores tradicionais, o novo dispositivo usa vanádio e cério, que armazenam os elétrons como se fossem baterias recarregáveis.

IBM cria transístor líquido inspirado em neurônios

IBM cria transístor líquido inspirado em neurônios: Além de permitir a realização de cálculos, o novo transístor iônico funciona como uma célula de memória não volátil.

Honda quer levar ficção científica para os veículos do futuro


A imagem de Tom Cruise no filme "Minority Report: A Nova Lei" deslizando os dedos no ar para controlar um computador é talvez uma das mais emblemáticas do cinema quando o assunto é ficção científica. E, se depender da Honda, o que assistimos há alguns anos no cinema pode se tornar realidade em um futuro muito próximo.
A empresa realizou uma apresentação durante a GPU Technology Conference 2013, evento que aconteceu na semana passada na cidade de San Jose, nos Estados Unidos. Victor Ng-Thow-Hing, do Instituto de Pesquisas da Honda, localizado no Vale do Silício, foi quem apresentou os planos da companhia para os próximos anos.
A ideia é utilizar os recursos de realidade aumentada para transformar a janela dianteira em uma espécie de painel de controle, com ícones que podem auxiliar o motorista na direção do veículo. Uma intersecção na estrada, por exemplo, poderia aparecer na cor verde diante do veículo, enquanto um caminho cujo tráfego é intenso seria revelado na cor vermelha.
Victor destacou ainda que uma equipe de quatro pessoas está utilizando displays como protótipos para garantir que tudo esteja seguro. A montadora está utilizando o NVIDIA UI Composer, que auxilia a empresa a entregar imagens 3D e animações mais realistas.
Por Wikerson Landim/ TecMundo

quarta-feira, 27 de março de 2013

Adolescente de 17 anos vende aplicativo para a Yahoo por US$ 30 milhões

O jovem ainda nem completou o segundo grau, mas já é considerado um prodígio. Ele criou o "Summly", um aplicativo para os smartphones que resume automaticamente as notícias de vários sites.

Fonte, vídeo e demais informações: http://revista.webmotors.com.br/yahoo/mercado/toyota-vios-pode-ser-o-proximo-modelo-da-marca-feito-aqui/1333466672653

Blocos celulares criam tecidos artificiais por montagem

Blocos celulares criam tecidos artificiais por montagem: A técnica permite a criação de tecidos vivos de forma muito parecida com que uma criança monta seu brinquedo usando blocos plásticos.

Cientistas vão tentar encontrar limites da teoria quântica

Cientistas vão tentar encontrar limites da teoria quântica

Guia traz passo a passo para abrir uma empresa de e-commerce

Guia traz passo a passo para abrir uma empresa de e-commerce

Recarregue seu telefone usando a bateria dos amigos

Todo mundo já passou pelo apuro de estar fazendo algo importante no celular e a bateria do aparelho estar para acabar. Pensando nisso, dois engenheiros resolveram criar um "carregador social", um tipo de chaveiro que carrega seu celular usando a bateria dos aparelhos dos amigos. O dispositivo foi batizado de Charge Bite.

Claro que esse dispositivo é para ser usado em situações de emergência. Afinal de contas, ao carregar o seu celular, a bateria do seu amigo perde um pouco da carga. É para aqueles casos quando 2% de bateria a mais são suficientes para mandar aquele email ou SMS importante.

A ideia é bem legal, não acha? Os criadores cadastraram o projeto do Charge Bite no site de financiamento coletivo IndieGogo. Quem quiser apoiar o financiamento do projeto, pode doar um trocado aqui. Espero que eles consigam o dinheiro e que o projeto vire um produto comercial. (a dica foi do Rafael Alvez)

terça-feira, 26 de março de 2013

Bagaço da cana será aproveitado na produção de etanol

O que antes era desprezado virou matéria-prima. A palha voltava para a lavoura como fertilizante. O bagaço ia para as caldeiras das usinas ser queimada para gerar energia elétrica. Agora eles poderão ser usados para produzir álcool.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-nacional/t/edicoes/v/bagaco-da-cana-sera-aproveitado-na-producao-de-etanol/2480190/

Obras que poderiam proteger o sistema elétrico brasileiro de apagões estão atrasadas

O relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica aponta pelo menos 109 obras atrasadas. Em outro estudo do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, 70% das obras de construção de novas linhas de transmissão estão atrasadas.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-nacional/t/edicoes/v/obras-que-poderiam-proteger-o-sistema-eletrico-brasileiro-de-apagoes-estao-atrasadas/2480191/

Carros ultracompactos começam a ser testados

A partir de maio, começa a rodar no Japão um tipo de carro ultracompacto. Modelo apresentado no Salão de Genebra, na Suíça, impressiona pelo tamanho e tecnologia.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/bom-dia-brasil/t/edicoes/v/carros-ultracompactos-comecam-a-ser-testados/2480612/

Neurocientista projeta aparelho que pode dar movimentos a paraplégicos

O objetivo do neurocientista responsável pela pesquisa Miguel Nicolelis, na Universidade de Duke, quer devolver os movimentos a um jovem para o primeiro jogo da Copa do Mundo de 2014.
Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/fantastico/t/edicoes/v/neurocientista-projeta-aparelho-que-pode-dar-movimentos-a-paraplegicos/2478056/

Descoberto acelerador de partículas natural ao redor de Saturno

Descoberto acelerador de partículas natural ao redor de Saturno: O fenômeno pode estar na origem da maioria dos raios cósmicos, que há poucos dias se anunciou serem originários das distantes supernovas.

Fábricas vegetais sustentáveis erguem-se nas sombras de Fukushima

Fábricas vegetais sustentáveis erguem-se nas sombras de Fukushima: Não será necessário nenhum esforço para que as pessoas saibam quem ganha e quem perde com a energia nuclear.

Internet para robôs já nasce com computação em nuvem

Internet para robôs já nasce com computação em nuvem: Pesquisadores europeus criaram uma plataforma de computação em nuvem para robôs.

BRICS criarão instituição alternativa ao Banco Mundial e FMI

BRICS criarão instituição alternativa ao Banco Mundial e FMI: A proposta é que a instituição sirva de referência para o desenvolvimento do bloco e também de países cuja economia é considerada emergente.

Institutos federais têm déficit de 8 mil professores


AE - Agência Estado
Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) na rede de institutos federais de educação técnica mostra que faltam quase 8 mil professores, o equivalente a 20% dos profissionais necessários. O déficit atinge toda a rede de 442 câmpus em funcionamento no País.
O TCU realizou a auditoria com o objetivo de avaliar as ações de estruturação e expansão do ensino técnico profissionalizante, com ênfase nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. A rede vive sua maior expansão histórica.
Os institutos com maior carência de docentes são os do Acre (com 40,1% de vagas ociosas), Brasília, Mato Grosso do Sul e Amapá. Os institutos federais do Estado de São Paulo aparecem em seguida, com um déficit de 32,7% de profissionais. Também há problemas para contratação de profissionais técnicos, o que se reflete no atendimento diário de laboratórios, conforme é descrito no relatório do TCU.
No País, 5.702 cargos técnicos estão ociosos, o que representa 24,9% do total necessário. Mato Grosso e Brasília têm os maiores déficits. Esses dados são de abril de 2012, segundo o TCU.
O próprio tribunal afirma no documento que a baixa atratividade da carreira é uma causa relevante da falta de profissionais. O professor Celso do Prado Ferraz de Carvalho, da Universidade Nove de Julho e especialista em educação profissional, explica que há dificuldades em tirar os profissionais técnicos do mercado de trabalho. "Tem sido difícil retirar professores da área de ciências e tecnologia e convencê-los a trabalhar nesses institutos, pela falta de atratividade da carreira", afirma ele.
A pró-reitora de ensino do Instituto Federal de Roraima, Débora Soares Alexandre Melo Silva, levanta ainda outra dificuldade envolvendo os câmpus no Norte e Nordeste do País. "Nós dependemos da liberação de vagas do governo. Quando temos, os candidatos aprovados voltam para o local de origem assim que conseguem uma redistribuição de vaga", diz. Segundo ela, a qualidade das instituições fica comprometida. "A gente tem de priorizar o ensino e, por causa disso, fica difícil cumprir as missões de extensão e pesquisa." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LNCC apoia estudos para a diminuição dos riscos ambientais das atividades petrolíferas


Para conhecer melhor o potencial petrolífero do Brasil, em especial os novos desafios científicos e tecnológicos da exploração da camada pré-sal, o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) apoia linhas de pesquisa nos setores de petróleo, água e gás.
Um dos projetos com suporte da instituição visa a diminuição do lançamento de dióxido de carbino (CO2) na atmosfera, originado de atividades humanas. Ele é baseado no sequestro de carbono por meio de captura, transporte e armazenamento geológico do gás. Em relação ao pré-sal, a intenção é utilizar os mesmos reservatórios como área de depósito, pois a presença de uma camada isolante de sal é um bloqueio natural, o que evitaria o vazamento do gás aprisionado.
Segundo o LNCC, a  modelagem e a simulação numérica dos fenômenos físicos e químicos envolvidos tanto na produção de petróleo e gás como na injeção de CO2, são processos fundamentais para a analise da integridade das formações do pré-sal e do sal durante a injeção do CO2. Essas medidas pretendem avaliar a eficácia da barreira geológica, assim como do endosso do potencial das reservas.
O apoio a projetos desse gênero está dentro da linha estratégica da linha estratégica da instituiçãol. O LNCC pretende atuar do como um pólo referência nas áreas de modelagem numérica de processos de prospecção de óleo, gás natural e águas subterrâneas, bem como transporte de poluentes em solos e armazenamento de CO2 em reservatórios de petróleo e aqüíferos. Por meio desses processos espera estimular o desenvolvimento de pesquisas e a capacitação profissional.
(Agência Gestão CT&I de Notícias com informações do LNCC )

Inscrições abertas para prêmio Mulheres na Ciência


A oitava edição do programa L’Oréal para Mulheres na Ciência está com as inscrições abertas até 13 de maio. Realizado em parceria com a Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e com a Academia Brasileira de Ciências (ABC), o prêmio visa incentivar a presença da mulher na linha de frente de pesquisas e garantir visibilidade ao trabalho delas.
Serão premiadas cientistas que atuam em ciências biomédicas, biológicas e da saúde, ciências físicas, ciências matemáticas e ciências químicas. As vencedoras receberão bolsa-auxílio no valor equivalente a US$ 20 mil. O programa já beneficiou 47 jovens cientistas no país, distribuindo mais de R$ 1,9 milhão em bolsas-auxílio.
Mais informações neste link.

Finep aprova planos de negócios para novas tecnologias industriais

A Finep validou os primeiros projetos não reembolsáveis do Plano Conjunto de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico (PAISS) com recursos no valor de R$ 39,4 milhões. Foram aprovadas seis subvenções econômicas e um projeto cooperativo que favorecem cinco empresas.
Na primeira etapa foram selecionadas iniciativas no âmbito de tecnologias para produção do etanol 2G e novos produtos a partir da cana-de-açúcar, referentes às linhas 1 e 2 do plano.
Dentre as empresas selecionadas estão a VTT Brasil, a Dow, a Braskem, a Methanum e a Baraúna /USP. A VTT Brasil receberá cerca de R$ 10 milhões para o desenvolvimento de diferentes tecnologias e etapas do processo de produção de etanol de segunda geração. A Dow terá R$ 2,9 milhões para criar uma rota tecnológica para a obtenção do propanol e do ácido propiônico a partir da cana.
Já a Braskem teve três projetos aprovados, num total de R$ 20 milhões, para rotas tecnológicas de produção de químicos verdes. A Methanum trabalhará na metanização de vinhaça, com R$ 4,9 milhões. Por fim, a Baraúna / USP terá cerca de R$ 1,7 milhões para um projeto de biofertilizantes.
Criado em 2011, o PAISS é uma iniciativa conjunta do BNDES e da Finep de seleção de planos de negócios e fomento a projetos que contemplem o desenvolvimento, a produção e a comercialização de novas tecnologias industriais destinadas ao processamento da biomassa. O programa vai disponibilizar recursos da ordem de R$ 1 bilhão até 2014.
(Agência Gestão CT&I de Notícias com informações da Finep)

Minas é Muitas fala sobre a importância de Itabira

Nova temporada do programa vai ao ar neste domingo (31), às 19 horas, pela TV Assembleia.
O Programa Minas é Muitas, da TV Assembleia, estreia nova temporada, neste domingo (31/3/13), às 19 horas, e tem como destino a cidade de Itabira (Centro-Sul). O município, que tem como base econômica a extração do minério de ferro, rende ao Estado R$ 7 milhões ao ano referentes ao Produto Interno Bruto (PIB), representando um dos dez maiores PIBs de Minas Gerais.
Para conhecer a importância da mineração na história do município, o programa conversou com a cientista política Cecília Maria, que falou sobre os impactos gerados com a chegada das mineradoras, sobretudo com a criação da Companhia Vale do Rio Doce, em 1942, pelo então presidente Getúlio Vargas. A atual Vale é a segunda maior mineradora do mundo, e grande parte de sua produção encontra-se no município de Itabira.


A cidade que tanto contribui para o desenvolvimento do Estado é, ainda, berço de um dos maiores poetas do Brasil: Carlos Drummond de Andrade. O “poeta maior”, como é conhecido no mundo literário, incentivou a preservação da cultura local, mantida pela fundação de mesmo nome, Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade.
O poeta mineiro inspirou também os conterrâneos, estimulando a formação de novos artistas. Um deles criou a “janela da poesia”, onde são expostos vários poemas de artistas contemporâneos. No programa, o entrevistado fala como surgiu a ideia e como fez para vencer os obstáculos que enfrentou para manter a iniciativa.
Reprises – O programa Minas é Muitas estreia neste domingo (31), às 19 horas, e será reapresentado em horários diversos ao longo da programação da TV Assembleia.
Em Belo Horizonte, a TV Assembleia é transmitida pelo canal 11 da TV a cabo e pelos canais abertos 35 (UHF) e 61.2 (digital).

CsF seleciona bolsistas para pesquisa aplicada às águas no exterior


O MCTI, o CNPq e a Fundação Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas (Unesco-Hidroex) lançaram, na semana passada, uma chamada pública voltada à seleção de candidatos em nível de pós-graduação. O edital é uma homenagem ao Dia Mundial da Água (22 de março). A data limite para a submissão das propostas é o dia 3 de maio.
O programa visa facilitar a formação de recursos humanos nas melhores universidades e instituições de pesquisa estrangeiras, no que se refere à promoção, internacionalização da ciência e tecnologia nacionais. As vagas abrangem as modalidades de Doutorado Sanduíche (SWE), Doutorado Pleno (GDE) e Pós-Doutorado (PDE).
Os candidatos receberão bolsas de estudo pelo programa Ciência sem Fronteiras (CsF) para atuar no Instituto de Educação para as Águas (Unesco-IHE), sediado na cidade de Delft, na Holanda. Após o retorno ao Brasil, a Unesco-Hidroex concederá estágios aos bolsistas selecionados pelo mesmo período em que estiveram envolvidos com projetos no exterior.
Para viabilizar os estágios, a Unesco-Hidroex firmou parcerias com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e instituições que compõem o Condomínio Temático em Águas, localizado em Frutal (MG).
Serão contempladas as seguintes linhas temáticas: gestão de recursos hídricos e governança; prevenção e controle da poluição aquática; segurança hídrica; integridade ambiental; águas urbanas; ecologia e recursos hídricos; e hidroinformática.

Revisão do marco legal da propriedade intelectual pode ser coordenado pelo INPI


A insatisfação da indústria, universidades e institutos de pesquisa com o marco regulatório cresce à medida que há mais interessados em investir em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Entidades representativas do empresariado e comunidade científica já encaminharam ao Congresso Nacional algumas propostas para alterar a legislação atual que está em vigor desde 1996. No entanto, para o procurador-geral do Instituto Nacional da Propriedade Industrial, (INPI), Mauro Maia, muitas delas “são absurdas”.
De acordo com ele, a pulverização do tema e a falta de integração dos atores do sistema nacional de propriedade intelectual é prejudicial para o andamento da reformulação do marco regulatório. “O modelo de como esse assunto está sendo tratado deve ser corrigido. Cada um pensa de uma forma e submete a um parlamentar que abraça o tema. Os esforços têm que ser concentrados. Acredito que o INPI é quem deve encabeçar esse assunto de aperfeiçoamento. As propostas que tramitam hoje estão difusas e estamos perdendo tempo”, avaliou o procurador.
O tema foi discutido em uma das plenárias do Congresso do INPI, que terminou no dia 21, no Rio de Janeiro (RJ). Em entrevista exclusiva à Agência Gestão CT&I de Notícias, o presidente do instituto, Jorge Avila, assinalou que é necessário alterar a lei.
“O mecanismo, apesar de ainda ser moderno, é de 1996 e quando foi aprovado havia sido discutido há pelo menos seis anos. Talvez seja a hora de revermos os pontos específicos da lei”, ponderou Avila. “O INPI poderia ser o coordenador dessas discussões junto com o Grupo Interministerial da Propriedade Intelectual para apresentar aos outros atores interessados um desenho inicial dessa reformulação”, afirmou.
No encontro da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), realizado no dia 15 de março, em Brasília (DF), os empresários apresentaram à presidente da República, Dilma Rousseff, os principais pontos a serem reformulados. De acordo com o presidente da Natura, Pedro Passos, é preciso que a política de propriedade intelectual brasileira seja um regime pragmático, que examine caso a caso a ampliação dos direitos que se discutem no plano internacional, que esteja alinhado ao atual interesse do país e que assegure ampla segurança jurídica ao investimento estrangeiro e também ao esforço de pesquisa e desenvolvimento (P&D) das empresas nacionais no exterior e no Brasil.
“A agenda de propriedade intelectual é um pilar central para a evolução da inovação do país. A realidade brasileira mudou muito nos últimos anos. Isso implica em repensar a nossa política”, disse Passos à presidente. Representando a Confederação Nacional da Indústria (CNI), ele criticou o acesso a informações do banco de recursos genéticos da biodiversidade, que é protegido por uma legislação criada em 2001.
“Esse marco legal criou tantos obstáculos para a pesquisa e inovação que impede hoje as universidades brasileiras e institutos de pesquisa como o jardim botânico do Rio de Janeiro a acessar o banco genético brasileiro para fazer pesquisas. Dependemos de uma extensa burocracia para acelerar esse processo de inovação”, disse o empresário.
O presidente do INPI reconheceu a necessidade de rediscutir o caso. De acordo com ele, a reforma do acesso ao patrimônio genético é sem dúvida uma questão importante. “Há uma demanda por se reverem restrições à patenteabilidade de seres vivos e substâncias naturais. Temos que fazer benchmarking para entender de qual maneira essa restrição da lei brasileira pode ser entendida como excessiva”, afirmou Jorge Avila que acredita que um esboço possa ser desenhado em quatro meses após o início das conversas.
Mais críticas
Em 2011, a CNI divulgou uma agenda criada pela MEI para estimular a inovação no Brasil. O primeiro capítulo foi dedicado a apontar obstáculos e sugerir alterações no marco regulatório da propriedade intelectual.
De acordo com a entidade de classe, para as empresas se sentirem seguras em investir em P&D é preciso editar um decreto que regularmente a averbação de direitos e o registro de contratos pelo INPI. Isso asseguraria o sigilo das informações. A confederação também defende a criação de uma medida provisória ou projeto de lei que atualize a legislação do imposto de renda relativa à dedutibilidade fiscal dos pagamentos de licenciamento de propriedade intelectual e de fornecimento ou licenciamento de tecnologia, know-how ou assistência técnica.
O documento pode ser acessado neste link.
Fonte e demais informações: 

Representantes da Andifes e MEC discutem marco legal para fundações de apoio e universidades


Integrantes do Ministério da Educação (MEC) e da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) se reuniram na terça-feira (19) para debater dois temas: o relacionamento entre as fundações de apoio e as universidades; e um documento escrito pela Controladoria Geral da União (CGU) que contém instruções técnicas para a realização de projetos de ensino, pesquisa e extensão.
De acordo com a Andifes, os temas têm causado preocupação para a comunidade acadêmica e pesquisadores. Segundo a instituição, as classes pedem mudanças nas diretrizes do documento.
Um dos assuntos amplamente discutidos e tido como entrave no setor é o marco legal em vigência. Segundo a vice-presidente do Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica (Confies), Suzana Montenegro, o mecanismo atrapalha a relação com entidades e empresas que submetem projetos de pesquisa.
Para começar a achar soluções, o secretário-executivo do MEC, José Henrique Paim, pediu aos participantes que apresentassem propostas para  modificar a cartilha de entendimentos.
No que diz respeito à Lei das Fundações, Paim explicou que é necessário discutir a questão com outras pastas do executivo. Para pautar o diálogo, ainda sem data definida, com os órgãos de governo e a Andifes, o secretário solicitou algumas sugestões de alterações tanto no decreto, como na lei.
A reunião também serviu para definir o nome da diretora de Desenvolvimento da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior (Difes/SESu), Adriana Wesca, como interlocutora do MEC nesse processo.
(Agência Gestão CT&I de Notícias com informações da Andifes)

segunda-feira, 25 de março de 2013

Nova série 'Cérebro - Máquina de Aprender' estreia no Jornal da Globo

Nas reportagens, saiba como a neurociência está ajudando músicos, atletas, bailarinos, alunos e professores a aprimorar seus desempenhos. 

Fonte, vídeo e demais informações:  http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-da-globo/t/edicoes/v/nova-serie-cerebro-maquina-de-aprender-estreia-no-jornal-da-globo/2467455/

Exercício cerebral constante pode levar à excelência

Praticar modifica o cérebro. Motivação, foco, atenção e anos de prática lapidam talentos.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-da-globo/t/edicoes/v/exercicio-cerebral-constante-pode-levar-a-excelencia/2469297/

Trabalho de neurocientistas melhora desempenho de estudantes e atletas

Treinamento aumenta a capacidade de concentração e o autocontrole dos atletas. Estudantes se aprimoram com jogos de tabuleiro e de raciocínio.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-da-globo/t/edicoes/v/trabalho-de-neurocientistas-melhora-desempenho-de-estudantes-e-atletas/2471580/

Projeto pioneiro une neurociência à educação em escolas no Brasil

Iniciativa é do neurocientista Miguel Nicolelis. Neurociência explica e melhora desempenho de esportistas.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-da-globo/t/edicoes/v/projeto-pioneiro-une-neurociencia-a-educacao-em-escolas-no-brasil/2473888/

Carreiras e atividades específicas ajudam a desenvolver memória

Atores e professores têm a memória mais exigida. Atividade física também é importante. Tenistas profissionais melhoram com a ajuda da neurociência.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-da-globo/t/edicoes/v/carreiras-e-atividades-especificas-ajudam-a-desenvolver-memoria/2476080/

Candidatos a motorista vão ter que fazer aulas em simulador

Medida passa a valer a partir de julho desse ano.

Fonte, vídeo e demais informações: http://globotv.globo.com/rede-globo/bom-dia-minas/t/edicoes/v/candidatos-a-motorista-vao-ter-que-fazer-aulas-em-simulador/2478477/

REATIVA NA REDE - ENERGIAS RENOVÁVEIS: Energia eólica, mercado de trabalho em alta

REATIVA NA REDE - ENERGIAS RENOVÁVEIS: Energia eólica, mercado de trabalho em alta: O recente anúncio por parte do governo de mais investimentos no setor de energia, ressaltando a atual capacidade de geração e transmissã...

Estudante cria gel que estanca sangramentos


São Paulo - O estudante da Universidade de Nova York, Joe Landolina, criou o Veti-Gel. Essa substância é capaz de estancar sangramentos imediatamente após a aplicação e pode ser a futura cura para hemorragias.
O Veti-Gel é feito de polímeros vegetais capazes de fechar feridas abertas instantaneamente. Sua criação sintética ajuda no processo de cicatrização ao se conectar ao corpo humano e fechar a ferida como se fosse a própria pele.
Um vídeo no YouTube mostra a aplicação do Veti-Gel em ação em um lombo de porco bombeado com sangue após um corte. O sangramento para poucos segundos após Landolina  passar o gel no ferimento.
Segundo Landolina, a substância funciona como um adesivo para a pele ao manter pressão sobre a ferida. Depois, ao tocar o sangue, o gel ativa a fibrina, um polímero capaz de coagular o sangue. As células de plaquetas ficam ativas logo em seguida graças ao gel, que faz com que elas se liguem à fibrina, criando uma vedação.
Portanto, o gel imita o que o corpo humano faz, mas de forma bem mais rápida. Depois de colocar o Veti-Gel, o usuário pode removê-lo ou aplicar um spray capaz de transformar o gel em uma substância que parece e age como pele. Dessa forma, o tecido ao redor pode cicatrizar ainda mais rápido.





Fonte e demais informações: http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/estudante-cria-gel-que-estanca-sangramentos-25032013-0.shl

Terá a inovação tecnológica atingido sua fronteira final?

Terá a inovação tecnológica atingido sua fronteira final?: Economista prevê que, por falta de inovações tecnológicas, crescimento econômico deixará de existir.

Sensor magnético traduz efeitos quânticos em vibrações

Sensor magnético traduz efeitos quânticos em vibrações: O resultado foi muito mais radical do que esperado, criando um sensor inédito, capaz de traduzir os efeitos quânticos em vibrações mecânicas.

R$10 milhões para Pesquisa em Educação Básica


FAPEMIG e CAPES divulgam resultado de edital que vai financiar projetos na área de ensino e aprendizagem
Já está disponível o resultado do edital 13/2012 sobre Pesquisa em Educação Básica. O objetivo do edital, fruto de uma parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), é apoiar financeiramente projetos de pesquisa e de inovação que permitam criar estratégias diferenciadas de ensino e aprendizagem.
A iniciativa também visa a desenvolver políticas de formação docente para a elaboração de estratégias e orientações sobre o uso de tecnologias na prática pedagógica, nos diversos campos do conhecimento em questões relacionadas à educação básica das redes públicas de ensino de Minas Gerais. Ao todo, foram aprovadas 122 propostas, que juntas somam mais de R$8 milhões em investimentos. Veja o resultado.
Parceria FAPEMIG-CAPES

O edital é uma das ações previstas em um Acordo de Cooperação amplo assinado entre a agência mineira e a Capes. Ele prevê um investimento total de R$10 milhões (R$4 milhões da FAPEMIG e R$6 milhões da Capes) definidos na Programação Orçamentária e Financeira da FAPEMIG.
No caso de dúvidas, a Central de Informações da FAPEMIG pode ser consultada pelo e-mailci@fapemig.br

A FAPEMIG também está no Facebook e no Twitter

População desconhece fórum de gestão das águas, diz ambientalista


Dezesseis anos após a entrada em vigor da Lei das Águas (Lei Nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997), uma das principais inovações da legislação continua desconhecida da maioria da população. De acordo com o coordenador do Programa Água para a Vida do WWF-Brasil, Glauco Kimura, 84% dos brasileiros nunca ouviram falar dos comitês de bacia. Kimura participou nesta quinta-feira (21) de audiência pública na Comissão de Meio Ambiente, em comemoração ao Dia Mundial da Água, 22 de março.
O ambientalista explica que os comitês são fóruns de debates e de decisão, onde governo, sociedade civil organizada e usuários das águas de uma bacia hidrográfica têm assento. São os locais adequados, por exemplo, para se buscar a limpeza de um córrego que vem sendo afetado pelo lançamento de esgoto não tratado ou a ação de uma indústria.
“Cria-se uma associação e busca-se um assento no comitê de bacia para discutir o tema. Ao conseguir espaço, isso vira uma pauta do comitê. Ao virar uma pauta, o comitê vai deliberar e pode ser implementada através da agência de bacia, inclusive com recursos da cobrança pelo uso da água”, explicou.
Dificuldades
Existem no país cerca de 190 comitês de bacia, sendo 11 deles em rios de domínio da União, de acordo com o diretor de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, Júlio Thadeu Kettelhut. O técnico reconhece a dificuldade de se ampliar a participação da sociedade nos comitês, mas analisa que mudanças de paradigma como a trazida pela Lei das Águas tendem a ser lentas.

“Às vezes, ficamos ansiosos que este processo ande rápido - e é bom que seja assim- , mas é um processo que quebra paradigmas e que necessita muita negociação”, afirmou.
A dificuldade de articulação entre governos e sociedade civil na gestão das águas tem reflexos na vida das cidades, onde, segundo a coordenadora da Rede de Águas da Fundação SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro, a poluição dos rios e os problemas de saneamento continuam impactando a saúde de adultos e crianças. Malu destaca que 70% das doenças na cidade de São Paulo têm origem no contato com água poluída.
“Regiões metropolitanas muito urbanizadas, onde a gente tem grandes cargas de poluição, como São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro, elas sofrem com falta de água por indisponibilidade, ou seja, porque águas estão poluídas e também por eventos climáticos drásticos.”
Hora do Planeta
A necessidade de um olhar mais atento para as águas fez o WWF-Brasil associar ao tema, neste ano, a campanha da Hora do Planeta. Organizada para 23 de março, em seguida ao Dia Mundial da Água, o evento convida os cidadãos a apagar as luzes por uma hora entre oito e meia e nove e meia da noite, num ato simbólico pelo uso mais racional dos recursos da Terra.

Pelo quinto ano consecutivo, a Câmara dos Deputados participa da campanha, desligando as luzes por uma hora e, no restante da noite, mantendo seu prédio iluminado de azul. A iluminação em azul já será ligada nesta sexta (22).
Para o coordenador do GT Água da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Dr. Paulo César (PSD-RJ), a campanha da Hora do Planeta deste ano é mais um instrumento de conscientização da população sobre a importância de um uso mais racional da água.
“Acho que este fato de comemorarmos também é uma forma de estarmos conscientizando a sociedade brasileira sobre como nós estamos tratando, como nós estamos exagerando no consumo e como nós estamos desperdiçando nossa água”.
Reportagem - Ana Raquel Macedo 
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'
Fonte e demais informações: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/MEIO-AMBIENTE/438241-POPULACAO-DESCONHECE-FORUM-DE-GESTAO-DAS-AGUAS,-DIZ-AMBIENTALISTA.html

sexta-feira, 22 de março de 2013

Brasileiros querem encontrar nova Física no LHC 2.0

Brasileiros querem encontrar nova Física no LHC 2.0: O projeto vai procurar, na nova rodada de experimentos do LHC, sinais de uma nova Física, além do chamado Modelo Padrão.

Refrigeração magnética sem magnetismo tira calor de processadores

Refrigeração magnética sem magnetismo tira calor de processadores: A aplicação de um campo magnético, que interfere com os chips, foi substituída pela deformação dos materiais magnetocalóricos.

Físicos mais próximos da Quinta Força Fundamental da natureza

Físicos mais próximos da Quinta Força Fundamental da natureza: A Terra inteira é o laboratório para detectar partículas elusivas que podem comprovar a existência de uma quinta força fundamental no Universo.

Telescópio Planck recalcula idade e composição do Universo

Telescópio Planck recalcula idade e composição do Universo: A análise mostrou que a matéria normal compreende apenas 4,9% da massa e da densidade de energia do Universo.

INPI lança e-patentes e aguarda novo concurso para diminuir backlog


Rio de Janeiro (RJ) – Desde quarta-feira (20), o processo de análise dos pedidos de proteção intelectual conta com uma nova ferramenta para ficar mais ágil. O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) lançou a plataforma de depósito on-line de patentes, o e-Patente que opera desde às 9h15 de ontem.
O sistema é uma das principais ferramentas do INPI para diminuir o backlog, tempo médio em que um pedido aguarda na fila até que a patente seja depositada. Atualmente esse prazo é de dez anos, mais que o dobro da média dos países desenvolvidos.
“Queremos reduzir essa espera para no máximo quatro anos. Essa atraso inclusive é ruim para os nossos profissionais”, pondera o diretor de Patentes do INPI, Julio Cesar Castelo Branco. Com atraso na análise, os examinadores muitas vezes pegam pedidos de tecnologias que ficaram obsoletas devido a demora.
O lançamento foi feito durante o Congresso INPI, realizado no Rio de Janeiro (RJ). No evento estão sendo discutidas ações e metas para a construção do planejamento estratégico do instituto para o período 2013-2022.
Com a nova plataforma, o processo deverá ficar pelo menos 20% mais ágil segundo estimativas do instituto. Processos que antes eram feitos de forma sequencial agora podem tramitar paralelamente dentro do INPI.
O e-Patentes foi criado com base no sistema do Escritório Europeu de Patentes. Nele, o processo de preenchimento de campos para explicar qual conhecimento deve ser protegido poderá ser feito de casa. Muitos dos erros cometidos por pesquisadores que desejam depositar uma patente serão corrigidos no próprio sistema, evitando a demora ocasionada pelo serviço de correspondência.
Para o presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Jorge Avila, com a solução do backlog haverá mais tempo e menos pressão para resolver outros problemas. “Queremos oferecer a análise rápida e com qualidade. Esperamos entregar até o fim desse governo um INPI capaz de resolver entre o problema do tempo de espera em três anos e meio ou quatro”, afirmou Avila.
No entanto, para cumprir essa expectativa, o INPI aguarda a aprovação do concurso público do órgão, que a cada ano perde mais profissionais por motivo de aposentadoria. O projeto de lei que cria os cargos para preencher todo o contingente de funcionários que o INPI precisa aguarda aprovação no Senado Federal. “Esperamos lançar e realizar o concurso até o fim do ano para em 2014 termos todo o quadro que planejamos para o instituto”, disse o presidente.
O site do e-Patentes é o epatentes.inpi.gov.br .
Cresce depósito de patentes
Entre 2011 e 2012, a quantidade de depósitos de patentes subiu 6%, dando continuidade à série histórica de crescimento que ocorre desde 2003. No total, foram feitos 33.780 pedidos de proteção de conhecimento.
Ainda de acordo com dados do INPI, por ano 15 mil depósitos são analisados. Mas apenas 30% têm a patente registrada. No ano passado, foram concedidas 3.137 patentes. Uma queda de 17,45% quando comparado ao número de proteções concedidas em 2011.
A diretoria do INPI alerta que os depositantes precisam se preparar melhor para fazerem os pedidos. “Deveria ser obrigação e dever de todo o depositante procurar ajuda especializada para fazer um pedido de patente. Ele deve tentar elaborar o seu pedido da forma mais racional possível. Quanto mais limpo for pedido ao INPI mais rápido a resposta vai sair”, afirmou Julio César Moreira.
No dia 19, o INPI divulgou que o Cartão BNDES vai financiar os serviços de pedido de registro de propriedade intelectual. O cartão funciona como um cartão de crédito convencional. A diferença é que a compra é feita em um ambiente virtual onde os serviços e produtos são oferecidos por fornecedores cadastrados.
Os micro e pequenos empresários com o Cartão BNDES podem agora contratar o serviço de um Agente de Propriedade Intelectual (API) para auxiliar no pedido de proteção intelectual. O limite por operação será de R$ 30 mil, podendo ser dividido em 48 vezes com prestações fixas a juros de 0,86% ao mês, taxa essa vigente a março de 2013.
Outras informações podem ser obtidas neste link.

CPqD inaugura laboratório que testará dispositivos móveis para rede 4G


O Centro de Pesquisas e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), instituição associada à ABIPTI, inaugurou, no dia 19, em Campinas (SP), a primeira fase de um novo laboratório que servirá para testes e a medição de dispositivos móveis de quarta geração (4G) padrões Long Term Evolution (LTE) e LTE-Advanced.
A nova estrutura possibilitará a simulação de todas as condições de operação em campo dos equipamentos destinados a redes 4G. O objetivo do projeto é pesquisar e desenvolver métodos e testes no padrão 4G, de modo a atender às necessidades da indústria brasileira de equipamentos, que poderá obter no Brasil o selo de conformidade com padrões internacionais, da Anatel e ainda das operadoras de telecomunicações.
De acordo com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o bom funcionamento da tecnologia 4G é imprescindível para o Plano Nacional de Banda Larga. “Precisamos de laboratórios como esse para o atendimento de políticas públicas no setor de telecomunicações, seja voltada para a área rural ou expansão da velocidade da banda larga no Brasil”, afirmou o ministro, que ainda teceu elogios ao CPqD classificando a instituição como uma "joia da coroa" para o desenvolvimento de tecnologias nacionais.
O novo laboratório, único do tipo na América Latina, foi montado por meio de um convênio entre o CPqD e a Finep, com recursos  do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funtel). Pelo acordo, firmado em dezembro de 2012,  serão investidos R$ 16 milhões, a serem liberados durante os 36 meses de duração.
(Agência Gestão CT&I de Notícias com informações do CPqD )