Pesquisar

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

FGV e USP estão entre as universidades preferidas por recrutadores

Oxford, do Reino Unido, é a instituição de ensino que forma os melhores funcionários do mundo, aponta estudo

RIO - A Universidade de Oxford, do Reino Unido, é a instituição de ensino preferida pelos recrutadores, segundo o estudo anual Global Employability Survey", realizado pela consultoria francesa em educação Emerging em parceria com o instituto de pesquisa alemão Trendence. A americana Harvard e a Universidade de Cambridge, também do Reino Unido, aparecem em segundo e terceiro lugares do ranking desta terceira edição do estudo, que engloba 20 países, entre eles o Brasil. Até a 10ª posição, completam a lista a Universidade de Stanford (EUA), Massachusetts Institute of Technology — MIT (EUA), Universidade de Princeton (EUA), Universidade de Columbia (EUA), Universidade de Yale (EUA), California Institute of Technology — Caltech (EUA) e Universidade de Tóquio (Japão).
Duas instituições brasileiras aparecem no ranking das 150 universidades que formam os melhores funcionários no mundo, publicado pelo The New York Times: a Fundação Getulio Vargas (FGV), que está em 93ª posição, e a Universidade de São Paulo (USP), no 113º lugar, ocupando posições similares às do ano passado. A FGV e a USP são as mais bem colocadas na América Latina. Apenas duas outras instituições da região entram na lista: as mexicanas Tecnológico de Monterrey, na 120ª posição, e a Universidade Nacional Autónoma de México, em 126º lugar.
A pesquisa também procurou saber como a universidade de formação afeta as chances de um candidato no processo seletivo. No Brasil, 31% dos recrutadores dizem que a universidade é o principal critério na hora de selecionar um candidato recém-formado, enquanto 51% consideram esse apenas um dos fatores importantes. Para eles, aspectos como experiência profissional têm o mesmo peso.
Ainda assim, os recrutadores brasileiros são os que mais valorizam a reputação e imagem da instituição onde o candidato estudou durante o recrutamento – 32% selecionaram esse critério como base da busca por profissionais. Em seguida, 25% avaliam a qualidade dos professores e pesquisadores da universidade e 21% se baseiam na experiência que já tiveram com outros alunos da mesma instituição. Esse último critério é o que lidera na média global.
Os entrevistados também selecionaram quais países produzem os melhores profissionais recém-saídos da universidade. Na liderança, aparecem os Estados Unidos, seguidos do Reino Unido e da Alemanha. O Brasil ficou na 17ª posição, na frente apenas da Malásia, México e Turquia.