Pesquisar

quinta-feira, 31 de março de 2011

Jornal da Record - Séries Especiais: Virei Patrão - Ep. 02 - 29/03/2011



Fonte e demais informações: http://www.youtube.com/watch?v=LYeiDF83028&feature=related

Jornal da Record - Séries Especiais: Virei Patrão - Ep. 01 - 28/03/2011



Fonte e demais informações: http://www.youtube.com/watch?v=mnHGtFvu6sw

6o Encontro Internacional das Águas

Impactos das Mudanças Climáticas sobre os Recursos Hídricos é o tema central do 6o Encontro Internacional das Águas – 6 EIA, promovido pela Universidade Católica de Pernambuco em conjunto com a Marinha do Brasil – Capitania dos Portos de Pernambuco, Companhia Hidroelétrica Vale do São Francisco – CHESF, Ministério do Meio Ambiente – Secretaria de Recursos Hídricos, Associação Brasileira de Engenharia Ambiental – ASBEA e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco – SECTMA.

Trata-se de um tema muito apropriado à conjuntura vivida por todos os países dos dias de hoje. Sendo a água um recurso indispensável à vida, é de fundamental importância a discussão das relações entre o homem e a água, uma vez que a sobrevivência das gerações futuras depende diretamente das decisões que hoje estão sendo tomadas.

Assim, o 6º Encontro Internacional das Águas é um fórum onde a discussão de tais problemas se poderá fazer baseada em critérios de racionalidade e de comparação de soluções alternativas, junto de pesquisadores, técnicos, gestores e decisores, a operar no mundo da água que afinal é o mundo de todos nós.

Fonte e demais informaçõeshttp://www.unicap.br/aguas/

Governo dos Estados Unidos oferece 40 bolsas de doutorado

Há oportunidades nas áreas de Ciência e Tecnologia com inscrições abertas até 30 de abril. As três melhores candidaturas brasileiras concorrerão à competição internacional. Participe!


 
O Governo dos Estados Unidos recebe inscrições para mais uma edição do Programa de Bolsas de Doutorado em Ciência e Tecnologia. Ao todo são oferecidas 40 vagas em universidades estadunidenses para estudantes estrangeiros. As três melhores candidaturas brasileiras participarão da competição internacional. Interessados têm até 30 de abril para se inscrever no site da Comissão Fulbright Brasil.
 
 
Há oportunidades para profissionais que tenham concluído a graduação até agosto de 2012 nas seguintes áreas: Agronomia (Entomologia, Biologia das Plantas, Patologia das Plantas e Ciências do Solo), Astrofísica e Ciências Planetárias, Biologia, Ciência dos Materiais, Ciências da Informação, Ciência da Computação, Ciências Ambientais, Engenharia (Aeronáutica, Ambiental, Biomédica, Aeroespacial, Elétrica, Química, Civil, Computação, Mecânica, Materiais, Oceânica e Petróleo), Física, Geologia/Terra e Ciências da Atmosfera, Matemática, Neurociências e Ciências Cognitivas e do Cérebro, Oceanografia, Química e Saúde Coletiva (Bioestatística e Epidemiologia).
 
Para participar da edição nacional é preciso ainda ter cidadania brasileira e ter proficiência em inglês (mínimo 90 - TOEFL Ibt, 580 TOEFL PBT ou IELTS de 7.0). Terão prioridade na seleção os candidatos de melhor desempenho acadêmico.
 
O programa terá duração de 36 meses. As bolsas incluem auxílio de manutenção que varia de US$1.160 a US$2.065, pagamento integral de anuidade e taxas escolares, auxílio para aquisição de livros e equipamentos, passagem aérea de ida e volta e seguro-saúde. Os estudantes poderão solicitar ainda auxílio extra de até US$10.000 para o financiamento de sua pesquisa, bem como para participação em congressos e seminários.
 
Confira a íntegra do edital do Programa de Bolsas de Doutorado em Ciência e Tecnologia (em inglês)

Fonte e demais informações: http://noticias.universia.com.br/mobilidade-academica/noticia/2011/03/31/806829/governo-dos-estados-unidos-oferece-40-bolsas-doutorado.html

Reviravolta na eletrônica orgânica viabiliza produção em escala industrial

Redação do Site Inovação Tecnológica - 11/09/2008
Molécula põe transístor orgânico de pé e permite sua fabricação em
 escala industrial
Novas moléculas orgânicas, que migram autonomamente para a base do transístor orgânico, permitem que ele funcione "de pé." [Imagem: Yoon, SNU/Talbott, NIST]
 
A eletrônica orgânica é um dos campos mais promissores da tecnologia atual: células solares tão baratas quanto papéis de parede, jornais eletrônicos flexíveis, vitrines de lojas com anúncios semitransparentes, computadores integrados às roupas - estas são apenas algumas das possibilidades desta tecnologia que permite que os circuitos eletrônicos sejam impressos tão facilmente quanto a sua impressora jato-de-tinta imprime um documento.

Mas ainda há desafios a serem vencidos. E o principal deles é o desempenho. Os transistores de plástico ainda são muito lentos.

Moléculas orgânicas semicondutoras

Pequenas moléculas orgânicas têm sido sintetizadas por inúmeros grupos de pesquisas com propriedades que virtualmente equivalem às propriedades dos semicondutores tradicionais, como o silício e o germânio. O problema é que é muito difícil depositá-las de maneira uniforme sobre uma superfície, construindo os chamados filmes finos semicondutores, a partir dos quais os componentes eletrônicos são montados.

Os cientistas pensaram então em construir moléculas orgânicas grandes, que deveriam ser mais fáceis de se manipular. Mas elas não resultaram em bons semicondutores.

Contudo, o esforço não foi perdido - eles descobriram como usar as moléculas grandes para forçar as pequenas - que são ótimas semicondutoras - a se estruturar em filmes finos.

Transistores de cabeça para baixo

Quando o caminho parecia livre, novo problema: os transistores resultantes só funcionavam de cabeça para baixo. O finíssimo filme semicondutor tinha que ficar na parte de cima para que o transístor orgânico funcionasse. Isso torna praticamente impossível fabricá-los em larga escala, porque os danos ao filme fino seriam inevitáveis.

Agora, no que parece ser mais uma porta que se abre em um labirinto de salas, cientistas do NIST (Estados Unidos) e da Universidade de Seul (Coréia do Sul) conseguiram colocar o transístor orgânico de pé.

Eles descobriram como ajustar uma nova classe de moléculas orgânicas para que elas se movam sozinhas da parte superior para a parte inferior do componente, formando o filme fino semicondutor na base do transístor, o que poderá viabilizar sua produção em larga escala.


Região ativa

A chave da descoberta está na substituição das moléculas semicondutoras por outras com maior massa molecular, o que literalmente faz com que elas "afundem" no polímero, ficando protegidas na parte inferior do dispositivo.

Montar essa região ativa do filme na base do dispositivo é essencial para o progresso dessa linha de pesquisas porque isto abre a possibilidade da construção dos transistores em processos em escala industrial.

As portas do transistor - coletor, emissor e base - poderão ser montados primeiro e o delicado filme poderá ser aplicado por último, não correndo o risco de ser danificado nos outros passos do processo industrial.

Bibliografia:

Structure and properties of small molecule-polymer blend semiconductors for organic thin film transistors
J. Kang, N. Shin, D.Y. Jang, V.M. Prabhu, D.Y. Yoon
Journal of the American Chemical Society
August 2008
Vol.: ASAP Article
DOI: 10.1021/ja804013n

Fonte e demais informações: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=reviravolta-na-eletronica-organica-viabiliza-producao-escala-industrial&id=010110080911

Workshop em BH: Como Utilizar os Incentivos à Inovação Tecnológica

A ANPEI-Associação Nacional de Pesquisas e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras e o Pro-Inova realizam durante toda tarde do dia 5 de abril próximo, em Belo Horizonte, na Escola de Engenharia da UFMG, um workshop destinado a orientar o meio empresarial de Minas Gerais sobre como utilizar os incentivos para implementar a inovação tecnológica em seus negócios

O encontro pode ser freqüentado também por gestores de pesquisa e desenvolvimento, meios técnico e acadêmico, advogados, contadores e outros profissionais interessados no campo da inovação. A iniciativa faz parte da promoção da XI Conferência ANPEI, que será realizada em junho próximo, em Fortaleza/Ce

Os promotores do workshop pretendem proporcionar a esses públicos melhor conhecimento sobre a legislação da inovação e como identificar e utilizar seus benefícios, com foco nas leis que definiram os incentivos fiscais (Lei do Bem) e sua regulamentação, além de apresentar os novos programas de fomento e recursos disponíveis dentro do BNDES para atividades inovadoras.

O programa será apresentado pela advogada Lenice Iolanda de Oliveira, com mais de 12 anos de experiência na utilização de incentivos fiscais e fomento à pesquisa e desenvolvimento. Formada em Direito e pós-graduada em Direito Empresarial pela PUC/PR, atuou em companhias multinacionais e atualmente é consultora de empresas de pequeno, médio e grande porte na utilização de incentivos fiscais da Lei de Informática e da Lei do Bem.

Para os interessados, estão sendo oferecidas 60 vagas gratuitas e as inscrições deverão ser feitas no site www.anpei.org.br até o dia 4 de abril ou até o preenchimento das vagas disponíveis.

Programa

Temas do workshop, de grande utilidade para pequenos, médios e grandes empresários, além dos profissionais interessados no assunto: 

- Incentivos fiscais
- Lei do Bem – conceito, incentivos e formalismo
- Simulação on-line
- Esclarecimento sobre as dúvidas da legislação  de incentivos fiscais (Lei do Bem)
- Programas do BNDES e FINEP
- Programas Estaduais de Incentivo à Inovação
- A relação da Universidade/Empresa na Lei do Bem e nos fomentos Finep e BNDES.  

O evento conta com o apoio do MCT-Ministério da Ciência e Tecnologia e do CNPq-Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

O que é a ANPEI?

Com mais de 26 anos de atuação, a ANPEI participa e estimula a construção de um ecossistema favorável à adoção da inovação como forma de modernização e fortalecimento da indústria, reunindo instituições e empresas de todos os portes e setores, cujo faturamento em 2009 foi de R$ 600 bilhões. De acordo com o MTC (Ministério da Ciência e Tecnologia), cerca 2% do faturamento anual dessas empresas foi destinado à inovação, o que representa 2/3 dos investimentos somente naquele ano, reunindo em seus quadros uma média de 20 mil pesquisadores empregados na indústria. 

Governo desiste de realizar duas edições do Enem

ANGELA PINHO
DE BRASÍLIA

A promessa do Ministério da Educação de fazer um Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) no meio do ano e outro no final foi adiada até pelo menos 2012. 

 
Oficialmente, o MEC diz que o calendário do exame ainda está em estudo, mas internamente já há convicção de que não existe tempo hábil para a realização de um exame já em maio, como previsto, uma vez que nem sequer se abriram inscrições. 

Dessa forma, apenas uma prova deverá ser realizada, em outubro. 

A realização de mais de um exame anual, prometida em 2009, quando a reformulação do Enem foi anunciada, era vista como uma maneira de dar mais chances para os candidatos a uma vaga no ensino superior e de reduzir a pressão dada por uma seleção baseada em apenas um final de semana de testes.
Além disso, o exame em maio seria usado para selecionar alunos para instituições que têm vestibulares nos dois semestres do ano. 

No entanto, quando a prova de 2009 vazou e teve que ser adiada, o governo ficou mais cauteloso. A justificativa dada para não fazer um exame no meio do ano em 2010 foi a falta de tempo para formular um novo esquema de segurança. 


quarta-feira, 30 de março de 2011

E-Science e Ciência 2.0 - Parte 2


Fonte e demais informações: http://www.limav.com.br/

Processos de fabricação de aços-ferramenta

O aço-ferramenta pode ser produzido de diferentes formas. As duas mais comuns são a fundição do lingote e a metalurgia do pó. Entretanto uma tecnologia mais recente, denominada conformação por spray (spray forming) ou Osprey, está disponível comercialmente.

O desenvolvimento dos processos de metalurgia do pó e da conformação por spray se deu na década de 70. As diferenças metalúrgicas entre os três processos são o tamanho dos carbonetos e a distribuição na matriz.



Nos processos de manufatura, o que diferencia os três processos é o custo. O método convencional de fundição é o mais barato e a metalurgia do pó o mais caro.

Processo convencional da fundição do lingote

É o mais utilizado para a produção de aço-ferramenta. No processo, o metal líquido é transferido para a panela onde a composição química final é ajustada e depois é vazado em lingotes. O molde é preenchido a partir do fundo. Depois da solidificação, o lingote pode ser processado por forjamento ou laminação.

O processo produz tamanho e distribuição não uniforme dos carbonetos. O tamanho típico dos carbonetos fica em torno de 25 microns.
 
Metalurgia do pó

O processo da metalurgia do pó pode produzir diferentes ligas, inclusive não ferrosas. Na metalurgia do pó, o metal líquido é atomizado pela ação de um gás inerte com alta velocidade, que transforma o metal líquido em gotículas. As partículas, assim que formadas, caem através de uma torre de resfriamento e solidificam. O pó resultante é coletado e transferido para uma cápsula hermeticamente fechada. A cápsula é então aquecida até a temperatura de forjamento.

Num processo denominado prensagem isostática a quente, a temperatura e a pressão comprimem a cápsula densificando o pó. A aplicação de gás inerte sob pressão e elevada temperatura garante a remoção de vazios internos, criando assim uma forte ligação metalúrgica através do material. Os lingotes resultantes podem ser laminados ou forjados.

O processo cria carbonetos esferoidizados e uniformemente distribuídos com tamanhos em torno de 3 a 4 microns.

Conformação por spray

Neste processo, o atomizador possui dois bocais oscilantes. O gás inerte em alta velocidade flui através dos bocais transformando o metal líquido em gotículas. Durante a atomização, as pequenas gotas (que são semi-sólidas) são coletadas numa pré-forma em formato de disco metálico e submetidas a giro e movimento ascendente.

O controle do movimento da pré-forma e das condições de atomização produz billets com diâmetros de aproximadamente 50 cm e 250 cm de comprimento.

Depois de um ciclo de tratamento térmico de recozimento, as barras podem ser processadas por laminação e forjamento para obtenção de dimensões mais adequadas ao uso. Dimensões comerciais para os diâmetros vão de 25,4 mm a 35 mm de diâmetro e para barras chatas, de 15 a 25 mm de espessura por 13 a 45 mm de largura.

A rápida solidificação das gotículas gera uma microestrutura de carbonetos circulares e uniformemente distribuídos com tamanhos na faixa de 10 microns.



Veja mais informãções sobre aços-ferramenta no material didático 


Fonte e demais informações: http://www.cimm.com.br/portal/noticia/exibir_noticia/7823-processos-de-fabricao-de-aos-ferramenta

EUA divulgam ranking dos 'carros mais verdes' de 2011

29/3/2011

O American Council for an Energy-Efficient Economy (Conselho para Economia com Eficiência Energética dos EUA) divulgou na última terça-feira (15) o ranking dos carros mais 'verdes' de 2011.
 
Pela oitava vez, o Honda Civic GX, movido a gás natural, ficou com o título. Mas, a partir da segunda colocação, a lista sofreu muitas mudanças em relação à de 2010, diz o órgão. O elétrico Nissan Leaf, lançado no ano passado, estreia na vice-liderança, seguido pelo supercompacto Smart Fortwo, que roda com gasolina.
 
Três carros híbridos, que possuem um motor a combustão e outro elétrico, ocupam as posições seguintes, à frente de Ford Fiesta SFE (Super Fuel Economy) e do novato Chevrolet Cruze, únicos americanos entre os 'top 10'. O Chevrolet Volt, elétrico que é a maior aposta da GM na atualidade, ficou em 12º lugar.
 
Para estabelecer o ranking , analistas avaliam os carros pela emissão de gases e o consumo de combustível. Os especialistas levam em conta também o material utilizado nos veículos e nos equipamentos, como, por exemplo, a bateria dos híbridos e elétricos, e a facilidade com que se pode dar fim a eles. É nesse quesito que o carros movidos a bateria perdem pontos, apesar de serem considerados "zero emissão", dizem os integrantes do conselho.

Os carros avaliados são aqueles que podem ser mais facilmente encontrados nas suas respectivas categorias. A lista não se restringe a hatchs e sedãs: inclui picapes e SUVs, como o Hyundai Tucson, Chevrolet Equinox, GMC Canyon e Ford F-150.

Vilões
 
Apesar de terem alguns 'irmãos' dentro da lista dos 'verdes', os carrões dominam o ranking dos piores para o meio ambiente, que, no ano passado, era mais povoada pelos esportivos. O Bugatti Veyron, que detém o recorde de velocidade do Guinness Book para carros produzidos em série, está no topo dos que têm a pior avaliação ambiental, com 19 pontos.
 
Em segundo lugar ficaram o GMC Yukon XL K2500, seguido pelo Dodge RAM 2500 Mega Cab, GMC G2500 Express e Savana.
 
Este é o 14º ano em que o ranking é publicado, com intuito de influir na decisão de compra dos consumidores americanos.

Os dez mais verdes

1º Honda Civic GX (gás natural)
2º Nissan Leaf (elétrico) 3º Smart Fortwo (gasolina) 4º Toyota Prius (híbrido) 5º Honda Civic (híbrido) 6º Honda Insight (híbrido) 7º Ford Fiesta SFE (gasolina) 8º Chevrolet Cruze Eco (gasolina) 9º Hyundai Elantra (gasolina) 10º Mini Cooper (gasolina)
 

G1


Fonte e demais informações: http://www.cntdespoluir.org.br/Lists/Contedos/DispForm.aspx?ID=2829

Presidente da Fapemig quer mais engenheiros e já vê "apagão" no setor


 Em uma recente aula inaugural para alunos de Engenharia, o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), Mario Neto Borges, alertou que o país necessitará formar anualmente entre 80 mil a 100 mil engenheiros nos próximos dez anos para não viver um apagão de mão de obra qualificada no setor. “Aliás, já estamos tendo”, frisou, citando como exemplo a falta de profissionais da área e a formação de só 31.182 deles em 2007. 

Os engenheiros serão necessários para ocupar os novos postos que podem surgir caso o país mantenha o ritmo de crescimento econômico e populacional. Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), publicado no dia 15 de março, há um agravante: 62% dos engenheiros não trabalhavam em ocupações típicas da área em 2009. O percentual pode ser reduzido levemente em 2020 para 55%, pois os profissionais ainda podem migrar para atividades que remuneram melhor. 

A atração de profissionais para a área começaria desde a educação básica, aponta o presidente da Fapemig, para quem o método, em geral, de ensino de física e química nas escolas está assustando possíveis interessados em engenharia. Ao fazer vestibular, o candidato evita escolher cursos desse tipo por cobrarem conteúdo dessas duas disciplinas. 
Ainda conforme Borges, as universidades deveriam dispor mais vagas e melhorar a formação de seus acadêmicos. Nesse sentido, estão a abertura de novas graduações, parcerias com grandes empresas, estágios e projetos de iniciação científica que envolvam o aluno. O presidente da Fapemig sugere às faculdades para que elaborem projetos em cooperação com empresas, com parte da pesquisa financiada pela fundação e outra pelas organizações.

Mas quais áreas da engenharia seriam fundamentais atualmente e para o futuro? Borges lista seis: Energia, Materiais, Transporte, Comunicações, Meio Ambiente e Gestão. 

O papel da Fapemig para essa perspectiva funcionar é estratégico, conforme o dirigente da entidade, pois ela não tem só a função de fomentar a pesquisa e a inovação científica e tecnológica, como principalmente de induzi-la. O processo pode ocorrer por meio de diversas iniciativas da fundação ou frutos de parcerias com outras instituições: Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (Pappe), Programa de Apoio à Melhoria e Inovação Tecnológica de Minas Gerais (Amitec), Lei Mineira de Inovação, Fundo de Incentivo à Inovação Tecnológica (Fiit), Fundos de Capital Semente e outros.

A fundação tem recursos para isso, como demonstrou o presidente em gráficos que exibiam a evolução de orçamento da instituição. De 2003 a 2010, houve um salto de R$ 24 milhões anuais para R$ 232 milhões, referentes a verbas governamentais. “Minas Gerais e o Brasil vão bem na ciência, mas mal na tecnologia e na inovação. Precisamos usar a ciência para a solução de problemas que nos interessa”, destacou. 

Tecnologia e inovação são portanto prioridades da Fapemig, assim como ciência e educação. “É preciso transformar a ciência em um valor para a sociedade brasileira. Desgraça e futebol dão mídia, ciência não”, finalizou.

Fonte e demais informações: http://telecom.cesjf.br/node/15006

Cursos de Competências Transversais - Senai

O SENAI oferece cursos gratuitos a distância sobre temas transversais que desenvolvem capacidades para a iniciação no mundo do trabalho ou, no caso de quem já está trabalhando, para a atualização das competências profissionais. Os temas disponíveis atualmente são: Educação Ambiental, Empreendedorismo, Legislação Trabalhista, Segurança do Trabalho, Tecnologia da Informação e Comunicação e Propriedade Intelectual. Os cursos estão sendo oferecidos em duas formas a distância: on-line (conectado a internet) ou com material impresso (MDI). Agora é com você! Faça a sua escolha e bons estudos!


Fonte e demais informações: http://www.senai.br/ead/transversais/

Professor dá aula sobre dízima periódica

Vitor Israel, professor de matemática do Curso e Colégio pH, dá uma aula sobre dízima periódica.

De acordo com Israel, o ideal é criar uma regra única que resolva todos os tipos de dízimas periódicas.

Veja nos exemplos como transformar um número racional em fração.

Confira aula completa em vídeo.

Google abre inscrições para universitários criarem projetos de código aberto

Nesta semana, o Google começou a receber as inscrições para o ‘Summer of Code’, um programa no qual estudantes universitários de todo o mundo têm a oportunidade de desenvolver projetos baseados em código aberto, com apoio da empresa.

O Google explica que a ideia do programa é permitir que os estudantes, que são orientados por um mentor, testem situações reais vividas durante um projeto para desenvolvimento de software e aumentem as oportunidades de emprego no mercado.

O programa, criado em 2005, já teve a participação de aproximadamente 4,5 mil estudantes e mais de 4 mil mentores de 85 países.

Os estudantes interessados em participar do Summer Code devem realizar a inscrição no site do programa até 8 de abril. Todos os projetos serão analisados e um grupo de mentores escolherá os 175 melhores para participar da iniciativa. No site, a empresa disponibiliza um manual com informações e dicas - em inglês - para os potenciais participantes.

Fonte: Olhar Digital

terça-feira, 29 de março de 2011

Finep anuncia recursos para projetos

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) do governo federal vai liberar R$ 100 milhões para projetos de tecnologia da informação (TI) e banda larga relacionados aos eventos esportivos que o Brasil vai realizar nos próximos anos. A decisão foi anunciada ontem pelo secretário de política de informática do Ministério da Ciência e Tecnologia, Virgílio Almeida, durante seminário promovido pelo Valor.

"Esses eventos são oportunidades para desenvolver tecnologias para o país e avançar no conhecimento científico. A área de ciência e tecnologia é essencial para se alcançar o nível econômico e social que se quer para o Brasil", disse Almeida.

A Finep vai abrir editais para projetos que atendam a um conjunto de diretrizes, disse o secretário. Entre elas, estão a produção de tecnologias que sejam competitivas no mercado externo e a geração de empregos qualificados.

Almeida afirmou que Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) também vai lançar editais para financiar projetos relacionados aos dois eventos esportivos. Valores e datas não foram revelados.

Em paralelo, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos (Cojo) tem R$ 970 milhões para projetos de TI para a Olimpíada de 2016. Os recursos serão usados em sistemas de processamento e divulgação dos resultados e estatísticas das competições e de gerenciamento das operações de segurança, acomodação e transportes, afirmou o gerente-geral de tecnologia do comitê, Elly Resende. O orçamento total do comitê foi estimado em R$ 5,6 bilhões. "Mas esse número ainda vai mudar", disse Resende.

Fonte e demais informaçõeshttp://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/3/25/finep-anuncia-recursos-para-projetos

PROPOSTA Ministério quer desenvolver indústrias de telecomunicações

RIO DE JANEIROO Ministério das Comunicações deverá concluir nos próximos 30 a 40 dias um estudo, como parte da política industrial, com propostas para o desenvolvimento da indústria de telecomunicações do país. A informação é do ministro Paulo Bernardo. Ele participou nesta segunda-feira (28) de um seminário sobre telecomunicações na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

“Nós queremos democratizar e facilitar o acesso [da população à internet] mas, ao mesmo tempo, queremos produzir no país equipamentos, dispositivos, elementos que são usados nas telecomunicações e na radiodifusão, com o objetivo de reforçar o setor industrial nacional”.

O ministro disse que tem trabalhado nesse objetivo junto com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico  e Social (BNDES), ministérios do Desenvolvimento, Fazenda e Ciência e Tecnologia e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

“Acredito que a presidenta [Dilma Rousseff] vai querer isso logo, ainda neste semestre”. Paulo Bernardo não quis adiantar detalhes, mas admitiu que questões como crédito e tributos estão sendo analisados. 

Cefet-MG debate inovação tecnológica na próxima semana

Da Redação - A inovação tem se transformado na ferramenta necessária para o aumento da competitividade de empresas e setores econômicos. Essa tendência é tema de discussão do Encontro de Tecnologia, Inovação e Competitividade (Intercit) promovido pela Coordenação de Inovação Tecnológica e Propriedade Intelectual do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CIT/Cefet/MG) nos próximos dias 7 e 8 de abril, no auditório do Centro Universitário do Planalto de Araxá (Uniaraxá). O objetivo do evento é estimular a inovação por meio de parcerias e interagir com o setor produtivo local.

No dia 7 (quinta-feira), o Intercit inclui dois cursos - “Propriedade Intelectual”, com Adriana Moura (Symbiosis Brasil); e “Inovação e Empreendedorismo”, com Leandro Haddad (Centro de Formação Profissional Júlio Dário) e Washington Castro (Incubadora Nascente).

Já no dia 8 (sexta-feira), duas mesas-redondas - “Financiamento de Projetos de Inovação”, com representantes do BDMG, Fapemig e Cefet-MG; e “Demandas Tecnológicas Locais e Potencial: Interação com o Cefet-MG”, com representates do Cefet-MG, CBMM e Acia”. Nesta rodada acontece a apresentação de projetos desenvolvidos por alunos do Cefet-MG que podem solucionar demandas tecnológicas locais.

No final do evento acontece a apresentação de projetos do Cefet-MG para empresários e investidores. O encontro tem como público-alvo empresários, pesquisadores, alunos,empreendedores locais e demais interessados em conhecer os trabalhos desenvolvidos pela instituição.

Com o encontro, a CIT/Cefet-MG busca convergir esforços, articular, integrar e promover ações de fortalecimento em inovação que impactem na promoção do desenvolvimento tecnológico local. As atividades se encerram com um debate entre os participantes e todos poderão esclarecer dúvidas sobre interação em pesquisa e desenvolvimento, incubação e estabelecimento de parcerias para com o Cefet-MG.

Para mais informações e inscrições, acesse o site www.intercit.cefetmg.br

Fonte e demais informações: http://diariodearaxa.com.br/Noticia/Tecnologia/2011/3/CefetMG-debate-inovacao-tecnologica-na-proxima-semana/7495.aspx

Fapemig e IES discutem Programa Mineiro de Capacitação Docente

Brasília, 28 a 30 de março de 2011 - Nº 1023 - Ano 10

   A partir de agosto, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) deverá dar início à implementação das bolsas referentes à segunda etapa do Programa Mineiro de Capacitação Docente (PMCD). Nesta quinta-feira (31), a comissão do programa, composta por representantes da Fapemig e de instituições de ensino superior (IES), se reunirá para aprimorar as diretrizes do PMCD 1, lançado em 2008, e propor modificações para o PMCD 2.

     O objetivo do programa é promover a melhoria das atividades de ensino, pesquisa e extensão nas instituições de ensino superior públicas e confessionais de Minas Gerais, por meio do apoio à capacitação e ao aprimoramento da qualificação dos docentes. Entre as ações, estão a qualificação por meio de doutorado, o estímulo à elaboração de estratégias de melhoria do ensino e da pesquisa e o apoio às políticas de desenvolvimento das atividades de ensino e pesquisa dos docentes recém-qualificados.

     “É um benefício significativo oferecido pelo governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes-MG) e da Fapemig, que visa acelerar a formação de pesquisadores e professores no Estado, com qualidade”, disse o presidente da fundação, Mario Neto Borges.

     A Fapemig é uma instituição associada à ABIPTI.

     Para conhecer as ações da Fapemig acesse o site www.fapemig.br.

     (Com informações da Fapemig) 

Fonte e demais informações: http://www.gestaoct.org.br/

INPI lançará sistema para agilizar cadastro dos pedidos de patentes do exterior

Brasília, 28 a 30 de março de 2011 - Nº 1023 - Ano 10

O cadastro dos pedidos de patentes que chegam ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) a partir do exterior, via Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT, na sigla em Inglês), será agilizado a partir de abril.
     O INPI lançará o Sistema de Aquisição de Dados PCT (Sisad-PCT), que possibilitará a aquisição automática de dados com o acesso a todas as informações de um pedido PCT, por meio da comunicação com a base de dados da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi).
     Num primeiro momento, o sistema será utilizado para preencher automaticamente o número e a data da publicação internacional, além das classificações internacionais de patentes (IPC) referentes aos pedidos com datas de depósitos entre 2006 e 2009. A implementação do sistema nesta etapa deverá ser concluída na primeira quinzena de abril.
     Para conhecer as ações do INPI acesse o site www.inpi.gov.br.
     (Com informações do INPI) 

Fonte e demais informações: http://www.gestaoct.org.br/

segunda-feira, 28 de março de 2011

Finep destina R$ 100 mi para Copa e Olimpíada

Valor será empregado em projetos de tecnologia da informação e banda larga


A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, anunciou que irá liberar R$ 100 milhões para projetos de tecnologia da informação (TI) e banda larga relacionados a Copa do Mundo Fifa 2014 e aos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

De acordo com Virgílio Almeida, secretário de política de informática do Ministério da Ciência e Tecnologia, a empresa irá abrir editais para projetos que atendam diretrizes como a produção de tecnologias que sejam competitivas no mercado externo e a geração de empregos qualificados.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) também deve lançar editais para projetos relacionados aos eventos esportivos que o País sediará nos próximos anos. O comitê organizador dos Jogos Olímpicos, por sua vez, já conta com uma verba de R$ 970 milhões para projetos de TI.

Orçamento reforçado

O Finep ampliou em R$ 2 bilhões os recursos destinados ao financiamento com retorno de projetos de ciência, tecnologia e inovação em empresas brasileiras para 2011. O orçamento total da financiadora para este exercício passou de R$ 4 bilhões para R$ 6 bilhões. O reforço nos valores é resultado de acordos realizados junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ao Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).

Com informações do Valor Econômico.

Fonte e demais informações: http://www.mmonline.com.br/noticias.mm?url=Finep_destina_R__100_mi_para_Copa_e_Olimpiada

Projeto ajuda agricultor a se adequar à legislação ambiental em MT



Fonte e demais informações: http://g1.globo.com/videos/economia/globo-rural/v/projeto-ajuda-agricultor-a-se-adequar-a-legislacao-ambiental-em-mt/1469810/#/Todos%20os%20v%C3%ADdeos/20110327/page/1

Agricultores aderem a projeto de regularização ambiental em MT



Fonte e demais informações: http://g1.globo.com/videos/economia/globo-rural/v/agricultores-aderem-a-projeto-de-regularizacao-ambiental-em-mt/1469812/#/Todos%20os%20v%C3%ADdeos/20110327/page/1

Meu Primeiro Emprego: como encarar as dinâmicas de grupo



Fonte e demais informações: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1470860-7823-MEU+PRIMEIRO+EMPREGO+COMO+ENCARAR+AS+DINAMICAS+DE+GRUPO,00.html

Tecnologia brasileira turbina vídeos on-line

RIO — Imagine um carrossel num parque de diversões, que continue girando enquanto as pessoas entram. Agora substitua o carrossel por vídeos passando constantemente na internet, e as pessoas entrando, por espectadores. Essa seria uma boa analogia do projeto brasileiro GLoVe (Global Video Environment, ou ambiente de vídeo global), que quer melhorar o streaming de vídeo.

Segundo o professor Cláudio Amorim, do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação da Coppe/UFRJ e responsável pelo projeto, a ideia foi criar um processo em que o o vídeo passasse por uma rede sem gargalos ou engasgos, e chegasse em alta definição ao consumidor final.

— Um vídeo acessado por milhares de pessoas num servidor pode engarrafá-lo, e isso prejudica a qualidade — explica Amorim. — As soluções tradicionais tentam descentralizar esse processo, usando vários servidores nas bordas de uma rede de computadores. O YouTube e o Netflix trabalham assim, usando empresas especializadas nesse serviço. 

Entretanto, esse processo de descentralização do tráfego usa os discos rígidos dos servidores. E acessar um vídeo nesses discos leva um tempo muito maior do que buscá-lo na própria memória do computador. 

— Já o GloVe bota os vídeos na memória e, assim, fica bem mais rápido para o usuário final acessá-los — diz Amorim.

Leia a íntegra da reportagem na edição do Globo Digital (exclusivo para assinantes) 

Fonte e demais informações http://extra.globo.com/noticias/celular-e-tecnologia/tecnologia-brasileira-turbina-videos-on-line-1412249.html

Seminário de Inovação e Criatividade em BH tem a participação da 3M

Consultores e gestores da área de inovação em diferentes empresas estarão no Seminário Nacional de Inovação e Criatividade, que acontece nos dias 6 e 7 de abril em Belo Horizonte e terá a participação do gerente de marketing da 3M, Luiz Eduardo Serafim.

A organização é feita pelo IETEC – Instituto de Educação Tecnológica. O objetivo é apresentar modelos de inovação nas empresas, mostrando conceitos e estudos de caso. O público alvo são profissionais de gerência que atuam em vários setores.

O evento reunirá palestrantes e debatedores destacados como Carlos Arruda, Coordenador do Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral, Gisela Kassoy, Professora e Consultora, Wilson Leal, Diretor da Siemens e Ana Cláudia Freire, Gerente de Inovação da Vale, entre outros.

A 3M irá compartilhar a experiência da companhia na criação de ambientes favoráveis à inovação. Para participar, é preciso se inscrever no site do IETEC.

Serviço

Nacional de Inovação e Criatividade
IETEC – Instituto de Educação Tecnológica
Centro de Convenções do Hotel Mercure
Av. do Contorno, 7315 – Bairro Lourdes – Belo Horizonte – MG
Mais informações em: www.ietec.com.br

Fonte e demais informações:  http://www.3minovacao.com.br/2011/03/22/seminario-de-inovacao-e-criatividade-em-bh-tem-a-participacao-da-3m/

Microsoft revela segredos do Kinect

Com informações da New Scientist - 28/03/2011
Microsoft revela segredos do Kinect
O Xbox roda o algoritmo 200 vezes por segundo, o que é cerca de 10 vezes mais rápido do que as técnicas anteriores de reconhecimento corporal. [Imagem: Shotton et al.]
Com mais de 10 milhões de unidades vendidas em cinco meses desde o lançamento, o Kinect parece ter pago todos os investimentos em pesquisa e desenvolvimento.

Tanto que pesquisadores da Microsoft divulgaram o primeiro artigo técnico descrevendo as inovações que permitiram o lançamento do produto.

O artigo, assinado por oito pesquisadores da empresa, foi disponibilizado no site da Microsoft Research, datado de Junho de 2011 - quando ele será publicado em um periódico do IEEE.

"Floresta de decisões aleatórias"

Os pesquisadores descrevem como, a partir de uma única imagem, é possível reconhecer partes do corpo humano em tempo real.

O algoritmo associa cada pixel da imagem a uma parte do corpo humano, criando uma imagem um tanto borrada da pessoa.

Graças ao sensor infravermelho do Kinect, o programa consegue detectar também a distância de cada parte do corpo, atribuindo ao pixel o dado adicional de profundidade.

Cada pixel é inicialmente avaliado com relação a determinados parâmetros - por exemplo, se o pixel está na parte de cima ou na parte de baixo do corpo.

A pontuação de cada parâmetro é então combinada com uma busca através de uma "floresta de decisões aleatórias" - essencialmente uma coleção de decisões que avaliam se um pixel com um conjunto específico de características pode ser atribuído a uma parte específica do corpo.

Localização das juntas

Os pesquisadores treinaram o sistema usando uma biblioteca de imagens de captura de movimento.

Eles inicialmente coletaram 500.000 quadros, catalogando movimentos como dançando, chutando ou correndo. A seguir, eles resumiram o conjunto inicial a 100.000 quadros descartando aqueles que não apresentam uma distância em relação aos demais de mais do que cinco centímetros.

Uma vez que as partes do corpo são identificadas, o sistema calcula a provável localização das juntas para construir um esqueleto 3D.

O Xbox roda o algoritmo 200 vezes por segundo, o que é cerca de 10 vezes mais rápido do que as técnicas anteriores de reconhecimento corporal. Com isto, os jogadores podem ser rastreados com rapidez suficiente para que seus movimentos sejam incorporados nos jogos.
E a equipe de cientistas da Microsoft dá alguns indícios do que os fãs da dupla Xbox-Kinect podem esperar no futuro.

A equipe planeja agora estudar como melhorar a precisão do sistema calculando diretamente as posições das juntas, eventualmente descartando a detecção inicial das partes do corpo.
Isso permitirá que o algoritmo rode muito mais rapidamente, o que poderá ser revertido em ganhos de resolução - será que o Kinect 2 será capaz de detectar o movimento individual dos dedos, por exemplo?
Bibliografia:

Real-Time Human Pose Recognition in Parts from a Single Depth Image
Jamie Shotton, Andrew Fitzgibbon, Mat Cook, Toby Sharp, Mark Finocchio, Richard Moore, Alex Kipman, Andrew Blake
June 2011
http://research.microsoft.com/apps/pubs/default.aspx?id=145347

Fonte e demais informações: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=microsoft-revela-segredos-kinect&id=010150110328

Brasileiros criam superplástico com abacaxi e banana

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/03/2011
Brasileiros criam superplástico com abacaxi e banana
Os bioplásticos feitos com nanocelulose extraída do abacaxi são 30 vezes mais leves e de 3 a 4 vezes mais fortes do que os plásticos usados nos carros hoje.[Imagem: Mikael Ankerfors]
Cientistas brasileiros querem que os chamados "carros verdes" - carros ambientalmente corretos, ou menos ambientalmente danosos do que os atuais - tenham o verde guardado fundo em suas fibras mais íntimas.
Alcides Leão e seus colegas da USP desenvolveram uma técnica para usar fibras de abacaxi, banana e outras plantas em uma nova geração de plásticos automotivos.

Superplásticos de plantas

Os plásticos compósitos à base de plantas são mais fortes e mais leves do que os atuais - e mais ambientalmente corretos, por dispensarem uma parte do material à base de petróleo.

Segundo Leão, as fibras retiradas do abacaxi e da banana parecem ser frágeis, mas, quando testadas na forma de fibras de nanocelulose, elas são extremamente fortes - quase tanto quanto o famoso Kevlar, usado na fabricação de roupas à prova de bala.

Com a vantagem de que, ao contrário do Kevlar e de outros plásticos tradicionais, que são feitos de matérias-primas oriundas do petróleo e do gás natural, as fibras de nanocelulose são completamente renováveis.

"As propriedades desses plásticos são incríveis," disse Leão. "Eles são leves, mas muito fortes - 30 vezes mais leves e de 3 a 4 vezes mais fortes. Nós acreditamos que uma grande variedade de peças de automóveis, incluindo painéis, pára-choques e painéis laterais, será feita de nanofibras de frutas no futuro."

E em um futuro próximo: segundo Leão, os superplásticos à base de nanocelulose poderão estar no mercado dentro de dois anos.

Além do aumento na segurança, os bioplásticos permitirão a redução do peso do veículo, com um ganho direto na economia de combustível.

O pesquisador brasileiro cita ainda outras vantagens. Segundo ele, os plásticos com as nanofibras de frutas incorporadas têm maior resistência a danos causados pelo calor e por derramamento de líquidos, como a gasolina.

Nanocelulose

A celulose é o material básico que forma a madeira e outras partes das plantas.

Suas fibras, em suas dimensões naturais, têm sido usadas na fabricação de papel há séculos.
Mais recentemente, os cientistas descobriram que o processamento intensivo da celulose libera fibras extremamente pequenas, a chamada nanocelulose - fibras com comprimentos na faixa dos nanômetros, ou bilionésimos de metro.

Estas nanofibras são tão pequenas que seria necessário colocar 50.000 delas enfileiradas para cobrir o diâmetro de um fio de cabelo humano.

Assim como as fibras de vidro e fibras de carbono, as fibras de nanocelulose podem ser adicionadas às matérias-primas usadas na fabricação do plástico, gerando plásticos reforçados que são mais fortes e mais duráveis.

Nanofibras

Leão afirma que as folhas e caules de abacaxi são mais promissores como fonte de nanocelulose do que a madeira comum.

Outras fontes adequadas de nanocelulose estudadas pelo grupo são o curauá (Ananás Erectifolius)), um parente do abacaxi, a banana, a casca de coco e o sisal.

Para preparar as nanofibras, os cientistas colocaram as folhas e caules de abacaxi ou das demais plantas em um equipamento parecido com uma panela de pressão.

O "molho" é formado por um conjunto de compostos químicos, e o cozimento é feito em vários ciclos, até produzir um material fino, parecido com o talco.

O processo é caro, mas é necessário apenas um quilograma de nanocelulose para produzir 100 quilogramas de plásticos leves e super-reforçados.

"Por enquanto nós estamos focando na substituição dos plásticos automotivos," disse Leão. "Mas no futuro poderemos substituir peças automotivas hoje feitas de aço ou alumínio usando esses materiais à base de nanocelulose de plantas."

sexta-feira, 25 de março de 2011

Pesquisa revela que as empresas brasileiras pagam mais para quem fala inglês



Fonte e demais informações: http://g1.globo.com/videos/jornal-da-globo/v/pesquisa-revela-que-as-empresas-brasileiras-pagam-mais-para-quem-fala-ingles/1468754/#/Edi%C3%A7%C3%B5es/20110324/page/1

Com recursos hídricos em risco, reúso protagoniza conscientização ambiental

Governo e setor privado concordam: o momento é de cooperação para se evitar um colapso no sistema de abastecimento de água no País. Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), 55% dos municípios brasileiros – que representam 70% do consumo – correm o risco de chegar em 2015 com problemas no fornecimento.

Investir em água de reúso para utilização industrial aparece como uma das alternativas para solucionar essa equação, que aponta o descompasso entre a oferta e o aumento da demanda. Fomentar a adoção dessa prática pelas empresas foi um dos objetivos do seminário “Ganhos econômicos e ambientais com Reúso de Água”, realizado pela Fiesp e o Ciesp nesta terça-feira (22), data em que se comemora o Dia Mundial da Água.

“A escassez preocupa, sem dúvida, mas o importante é tomar as providências e olhar para frente”, destacou Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp. “Mais do que lamentar a situação em que chegamos com relação à água, é preciso trabalhar para produzir mais com menos.”

Skaf ressaltou que o empresariado já tem a consciência de que investir em Produção mais Limpa não é apenas uma medida ambiental, e, no final das contas, representa economia e ganho de competitividade.

Eduardo San Martin, diretor de Meio Ambiente do Ciesp, reforçou o alerta: “A redução dos custos de produção está diretamente atrelada à redução do consumo de água”, sublinhou.

Investimentos
 
A Agência Nacional de Águas (ANA) garantiu que os cortes de R$ 50 bilhões no Orçamento da União para 2011, anunciados no mês passado pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior, não afetarão os investimentos da pasta em recursos hídricos.

“Desta vez não houve contingenciamento de recursos, e isso é histórico. O orçamento para esse fim saltou de R$ 80 milhões para R$ 250 milhões”, afirmou o diretor da ANA, Paulo Rodrigues Vieira.

A lei 9984/00 estabelece o percentual de 0,75% sobre a energia gerada pelo setor hidrelétrico, como pagamento pelo uso de recursos hídricos, destinado ao Ministério do Meio Ambiente/ANA para implementação da Política e do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. 

Inscrição para edital Universal da Fapemig pode ser feita até a próxima semana

 Brasília, 24 a 27 de março de 2011 - Nº 1022 - Ano 10

Termina na próxima quarta-feira (30), o prazo para submissão de propostas para a chamada 01/2011 da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Com investimentos da ordem de R$ 23 milhões, o Edital Universal objetiva incentivar a produção de pesquisa científica em todas as áreas do conhecimento.
     São elegíveis propostas de entidades de ciência e tecnologia do Estado cadastradas junto à fundação. O valor individual dos projetos não pode ultrapassar R$ 50 mil. De acordo com a Fapemig, as propostas que, durante a análise, tiverem o orçamento cortado em mais de 30% serão desclassificados.
     A Fapemig é uma entidade associada à ABIPTI.
     Informações sobre o edital estão disponíveis neste link.
     (Com informações da Fapemig) 

Fonte e demais informações: http://www.gestaoct.org.br/

Abendi promove Conferência de Tecnologia de Equipamentos

Brasília, 24 a 27 de março de 2011 - Nº 1022 - Ano 10

Pernambuco será a sede de um dos mais importantes eventos da indústria nacional. Entre os dias 10 e 13 de maio, acontece a 11ª edição da Conferência de Tecnologia de Equipamentos (Coteq), evento promovido pela Associação Brasileira de Ensaios não Destrutivos e Inspeção (Abendi), Associação Brasileira de Corrosão (Abraco) e o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), no Enotel Resort & SPA Porto de Galinhas.
     O objetivo do evento é contribuir de maneira efetiva para os avanços tecnológicos e  o desenvolvimento da indústria de equipamentos, utilizando a forte ascensão da região pernambucana. O evento reúne especialistas, técnicos e acadêmicos. As inscrições podem ser feitas até 15 de abril.
     Informações sobre o evento estão disponíveis neste link.
     (Com informações da Abendi) 

Fonte e demais informações: http://www.gestaoct.org.br/

Acordo prioriza propriedade intelectual

Brasília, 24 a 27 de março de 2011 - Nº 1022 - Ano 10

  Brasil e Portugal estão discutindo acordo de cooperação envolvendo o intercâmbio de examinadores de patentes, o aprofundamento da discussão sobre a criação da marca lusófona e a parceria para o desenvolvimento da área de propriedade intelectual (PI) em países africanos de língua portuguesa.
     No último dia 21, o presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Jorge Ávila, se reuniu com o representante do mesmo instituto de Portugal, Leonor Trindade, para discutir alguns pontos a serem priorizados. Os dois países já estão definindo o plano de trabalho para avançar na cooperação, com a renovação do atual memorando de entendimento, prevista para abril.
     Os institutos do Brasil e de Portugal contam com a estrutura e a expertise necessários para oferecer apoio na implantação de escritórios na África. A ideia é trabalhar em conjunto para desenvolver competências nestes países, compartilhando os modelos modernos adotados por ambos os INPIs.
     (Com informações do INPI)

Fonte e demais informações: http://www.gestaoct.org.br/

Brasil e Alemanha estudam mecanismos conjuntos para estimular inovação

 Brasília, 24 a 27 de março de 2011 - Nº 1022 - Ano 10



A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) realiza nesta semana, em São Paulo (SP), nos dias 24 e 25, o primeiro Laboratório de Aprendizagem em Inovação Brasil-Alemanha 2011. A ideia é fortalecer a parceria entre os dois países em áreas como petróleo e gás, energias limpas e tecnologias para grandes eventos.
     De acordo com a ABDI, o evento reúne cerca de 100 empresários e conta com debates sobre mecanismos para inovação, competitividade e internacionalização de empresas. Participam do encontro o presidente da agência, Mauro Borges Lemos; e o diretor do Instituto Fraunhofer para a América Latina, Eckart Bierduempel.
     Na avaliação do presidente da instituição brasileira, o workshop é uma grande oportunidade de colocar a inovação na agenda bilateral. “Inovação é tema central da Política de Desenvolvimento Produtivo, que será lançada ainda neste primeiro semestre”, ressaltou Lemos.
     Informações sobre a ABDI podem ser obtidas no site www.abdi.com.br

Fonte e demais informações: http://www.gestaoct.org.br/